34- Meu bisavô me falou

Meu bisavô me falou
Que no tempo da escravidão
Era dor muita dor tanta dor
Morriam de dor os negro meus irmãos

Cœur:
Dor, dor, dor

O sangue jorra no chicote do feitor

Cœur:
Dor, dor, dor

O negro morre de saudade sem amor

Cœur:
Dor, dor, dor

Dona isabel sua lei não adiantou

Cœur:
Dor, dor, dor

O negro morre de paris a salvador

Cœur:
Dor, dor, dor

O sangue jorra na caneta do doutor

Cœur:
Dor, dor, dor

A raça negra não nasceu para ter senhor

Cœur:
Dor, dor, dor

Minha alma é livre o berimbau me libertou

Cœur:
Dor, dor, dor

 

33- Dona Isabel, que história é essa ?

Dona isabel que historia é essa
de ter feito abolição
de ser princesa boazinha
Que acabou com escravidão

Estou cansado de conversa
estou cansado de ilusão
Abolição se fez com sangue
Que inondava esse pais

Que o negro transforma em luta
Cansado de ser infeliz
A abolição se fez bem antes
Ainda por se fazer agora

com a verdade das favelas
Nao coma mentiras da escola
Ôh! isabel chegou a hora
de se acabar de essa maldade

E de ensinar pro nossos filhos
O quanto custa a liberdade
Viva zumbi , nosso guerreiro
Que fez-se heroi la em palmares

Viva a cultura desse povo
A liberdade verdadeira
Que ja corria nos quilombos
Que ja jogava capoeira

Iê ê ê

Viva Zumbi

Cœur:

Iê Viva Zumbi Camara

 

31- Quando eu venho de Luanda

Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Cœur:
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

O trago meu corpo cansado, coração amargurado,
Saudade de fazer dó
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Cœur:
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Eu fui preso à traição trazido na covardia
Que se fosse luta honesta de lá ninguém me trazia
Na pelo eu trouxe a noite na boca brilha o luar
Trago a força e a magia presente dos orixás
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Cœur:
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Eu trago ardendo nas costas o peso dessa maldade
Trago ecoando no peito o grito de liberdade
Que é grito de raça nobre grito de raça guerreira
Que é grito da raça negra, é grito de capoeira
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

Cœur:
Quando eu venho de Luanda eu não venho só
Quando eu venho de Luanda eu não venho só

 

30- Ai Meu Tempo

Ai, meu tempo, faz tanto tempo
que o meu tempo não volta mais
quando os negos de Aruanda
cantavam coros iguais

Cœur:
Ai, meu tempo, faz tanto tempo
que o meu tempo não volta mais
quando os negos de Aruanda
cantavam coros iguais
Nos somos pretos da capanga de Aruanda
a Conceição viemos louvar
Aranda e e e, Aranda e e a

Cœur:
Nos somos pretos da capanga de Aruanda
a Conceição viemos louvar
Aranda e e e, Aranda e e a
Preto velho ficava sentado
no batente do velho portão
Preto velho com sua viola
Preto velho com seu violão

Cœur:
Preto velho com sua viola
Preto velho com seu violão
La na festa da Conceição
todo mundo pedindo e implorava
O menino pegava a viola
Preto velho então cantarolava

Cœur:
O menino pegava a viola
Preto velho então cantarolava

 

 

27- Hoje é dia de festa

Mas hoje é dia de festa
Eu jurei que não Vou me importar
Se o batuque não sai Como eu gosto
Se a morena não vai Me olhar
Hoje eu quero jogar Capoeira
Ver mandinga pra lá E pra cá
Esse luta essa dança Guerreira
Faz meu corpo se Arrepiá
Brincadeira

Brincadeira Mandingá

No molejo do corpo vai molejar
Brincadeira

Brincadeira Mandingá

26- Capoeira tem um faro

Capoeira tem um faro parece ate radar sete leguas de distancia onde o berimbau tocar

le le le le o o

le le o le le o le le

le le le le o le le le o

le le le o e le le le o

o capoeira e vidente toda vez sempre aceso se quiser ele pegar um martelo ja levou

le le le le o o

le le o le le o le le

le le le le o le le le o

le le le o e le le le o

o capoeira e inteligente astuto malicioso velocidade na mente com jeito audacioso

le le le le o o

le le o le le o le le

le le le le o le le le o

le le le o e le le le o